Emagrecimento

Emagrecimento

A alimentação excessiva e errada, o sedentarismo, o excesso de comodismo associados a tendências comumente genéticas e familiares para engordar, têm ocasionado uma epidemia global de ganho de peso, levando as pessoas – crianças e adultos – ao sobrepeso e à obesidade.

Atualmente, o excesso e fácil acesso à alimentação barata, manufaturada em larga escala e altamente engordativa, praticamente democratizou o excesso de peso, que atinge agora indiscriminadamente todas as classes sociais.

O tratamento para emagrecer deve ser uma atitude de saúde, com reeducação alimentar, mudança de estilo de vida, e acompanhamento médico regular, podendo ser necessário o uso de algum medicamento, porém sempre com a reposição adequada dos antioxidantes que aceleram o metabolismo de uma maneira natural e com isto aumentam a eliminação de gordura e a perda de peso.

Sabe-se hoje que a grande maioria dos pacientes que engordam tem muita ansiedade. Esta ansiedade se transforma em compulsão alimentar e este descontrole se torna mais impulsivo a noite. Mudar hábitos não é fácil. Busque ajuda. É uma atitude correta e quando bem conduzida muito eficaz. E lembre-se: dietas absurdas ou formulas mágicas, nem pensar.

A vida depende de uma equação metabólica de troca contínua e eficaz de energia e nutrientes entre o ser vivo e seu ambiente. No caso do ser humano, atualmente essa equação está desequilibrada e desproporcional. O homem primitivo usava na alimentação a caça, a pesca, os frutos e plantas silvestres. E para isso dispendia muita energia numa atividade física diária e intensa. A alimentação era natural, de qualidade ideal e nada fácil de se conseguir. O estoque era sempre o mínimo e o trabalho para consegui-lo sempre intenso e diário.

Hoje a caça é no supermercado. Alimentos de baixa qualidade nutricional, com alto índice glicêmico e alto valor calórico e de gorduras, enchem geladeiras e armários, com o máximo de comodidade e conforto que a tecnologia oferece para que o trabalho físico seja o menor possível. Pode-se dizer que a revolução industrial e tecnológica mudou completamente a dieta e o estilo de vida do homem moderno. É mínima a atividade física e imenso o consumo de alimentos com muito açúcar,  muita massa e muita gordura. Isso tudo acompanhado de muito estresse, que libera uma gama de substâncias nocivas ao organismo. Muita competitividade, ansiedades, frustrações e muita, muita pressa. Alimentação apressada, mal mastigada, mal digerida, mal absorvida e mal aproveitada.

O resultado não poderia ser outro. Populações inteiras assoladas pelo excesso de peso, sobrepeso e obesidade. E o desenvolvimento precoce das doenças decorrentes dessa epidemia, como: diabetes, a hipertensão, a arteriosclerose e excesso de gorduras no sangue (colesterol e triglicerídeos), problemas cardíacos e infarte, problemas de gordura no fígado (esteatose), derrames (AVCs), alguns tipos de reumatismo e até alguns tipos de câncer. Isso tudo sem falar no problema da reposição inadequada de nutrientes essenciais, que por si só já compromete a saúde do organismo. Além do desajuste social e emocional que o sobrepeso, o excesso de peso e a obesidade acarretam.

Para viver com saúde é necessário saber comer. A alimentação errada e desequilibrada repercute de maneira desfavorável no desenvolvimento, na vitalidade, na saúde e na longevidade de nosso organismo. O qual, sem atividade física, enferruja e adoece em todas as suas funções.

Deve-se comer pouco e certo, caminhando sempre, e com saúde continuar comendo e caminhando por muito mais tempo.